Pelo Retrovisor – Quanto economizamos em nossa viagem [Rota Japão – Resumo Final]

Lanternas de Peixinhos Dourados

Vamos à Resenha.

Como já é tradição em nosso site, após uma viagem fazemos um resumão, falando das estratégias usadas para cada viagem.

Sempre falamos por aqui mas não custa lembrar – planejamento é tudo, e desta vez também não foi diferente.  Vamos lá?

Compra Antecipada de passagens com pontos – 59% mais barato!

Assim que voltamos de Nova York, em janeiro de 2018, começamos as pesquisas para os próximos destinos a visitar.  Os escolhidos eram Portugal, Reino Unido, Austrália  e Japão.  Os 3 primeiros já estavam na nossa lista há algum tempo, e o Japão surgiu como um novo destino a ser  monitorado.
Nossos resgates normalmente são feitos pela Multiplus (agora Latam Pass), então as rotas para Ásia e Oceania provavelmente passariam por utilizar companhias parceiras da Latam, tais como Qantas, British Airways e Iberia.

Começamos a monitorar os preços já em janeiro, lembrando que o calendário para resgates com pontos normalmente abre 11 meses antes da data de viagem.

A nossa surpresa veio em 19 de fevereiro de 2018:  Apareceram no sistema da Latam, passagens para Tóquio, pela British Airways (conexão em Londres), por 60 000 pontos o trecho.  A pontuação mínima usual entre Brasil e Europa pela Latam é de 30 000 pontos, e entre Europa e Ásia, também 30 000 pontos.  Logo, conseguir um resgate entre Brasil e Ásia por 60 000 pontos, significa o mínimo absoluto da tabela!!

Não teve nem o que pensar, apertamos o gatilho imediatamente!

Considerando o custo de aquisição dos pontos (Clubes de Milhas, programa KM de Vantagens e afins) a passagem saiu menos da metade do preço, custando cerca de R$ 2 400,00 já com as taxas.  Na mesma data, a passagem para Tóquio, no mesmo voo, custava R$ 5 900,00!!

 

Hotel – 50% mais barato

Usamos também os pontos para reservar nossos hotéis.  O programa LeClub da Accor hotéis tem uma tabela fixa de conversão de pontos par Euros:  2000 pontos = 40 euros.  Isto é muito útil para “travar” o câmbio em uma moeda forte.  Na prática, compra-se euros a um custo reduzido.

No caso do Japão, o nosso “Euro-Accor” estava em R$ 2,43, enquanto o Euro Turismo na mesma data estava em R$ 4,58.  Considerando o IOF para reserva com cartão, pagamos a metade do preço em hotéis, uma grande vantagem em um destino com hospedagem cara, como Tóquio.
Para aumentar a vantagem, utilizamos o aplicativo “My Places” da Accor, que dá pontos por hospedagens em diferentes hotéis, desde que você faça o checkin pelo aplicativo nas redes sociais.  Recebemos de volta, por utilizar o aplicativo, 2500 pontos, o que corresponde a 50 euros.  Nada mau para poucos minutos de trabalho.

 

Nota Final de Economia  Rota Kids Japão:  58% mais barato

As estratégias cruzadas nos deram um custo de viagem quase 60% mais barato do que se simplesmente comprássemos todos estes itens sem planejamento.

Os resgates este ano estavam tão bons para os destinos distantes que resolvemos aproveitar ainda mais!

 

Qual a próxima rota? Aguardem os próximos posts!

See ya!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *