Central Park e Museu de História Natural [RotaKids NY: day 2, 03/02/2018]

Neste nosso segundo dia em Nova York, resolvemos começar visitando um dos principais parques urbanos do mundo: o Central Park.  Assim, como o parque é muito grande, em nosso planejamento dividimos os locais que queríamos visitar no parque por alguns dias diferentes, pois ainda temos muitos dias na cidade.  Neste dia, começamos por visitar os arredores da porção norte/central do parque.  Marcamos algumas lojas que queríamos ir, uma loja de artigos esportivos (Modell’s Sporting Goods), pois a Bia queria um par de patins quad de presente de aniversário, e eu queria como de costume visitar a Michaels e ver as novidades e utensílios para artesanato e desenho.

Bibia imitando o manequim na loja de artigos esportivos

As lojas parecem bem pequenas, quando vistas de fora.  Mesmo quando pesquisamos e olhamos a foto da fachada no Google Street View, achávamos serem pequenas, mas elas surpreendem, pois as lojas quase sempre possuem mais de um andar subterrâneo, em um terreno  bem mais profundo que imaginamos.  Ainda assim, elas  são bem menores e com menos variedade de artigos que as lojas da Flórida.

Feita a visita às duas lojas (não encontramos o patins, mas encontramos na Michaels um monte de pequenos itens para o material escolar das meninas), partimos para o parque.

Fizemos um passeio pelo Central Park entrando pelo lado oeste e caminhando em direção sul, observando os pontos que gostaríamos de ver.   Nova York  é cheia de referências e cenários de filmes e séries, inclusive as infantis, então a primeira parada para fotos foi em frente ao número 320 da Central Park West, onde estaria a cobertura da família Ross do seriado Jessie, da Disney.  As meninas adoram e já viram todos os episódios,  atualmente as mesmas crianças da série Jessie estrelam outra série, chamada Acampados, que vai ao ar no canal Disney também.

Muito frio mas vale a foto. Hey Jessie!

Seguimos pelos caminhos dentro do parque, com muito vento e frio neste dia, mas quem se importa com o frio quando estamos realizado um sonho, conhecendo um lugar legal, um parque super bem cuidado com diversas áreas de lazer infantil, até determinadas por faixa etária, com brinquedos diferentes e super criativos. Todos voltamos a ser um pouco crianças.

Balançando no pneu até o papai
Balanço para qualquer um voltar a brincar
Testando o equilíbrio e força da Bibia
Brinquedos muito espaçosos e ergonômicos fazem todas as crianças muito felizes. Olha o sorriso na loira!
Felicidade que não se mede. Foi até difícil tirar elas dos parquinhos.
Socorro o hipopótamo vai comer minha cabeça!

Todo esse caminho pelo parque para enfim chegarmos a um dos museus mais aguardados pela família e que também foi cenário de filmes como Uma Noite no Museu e seriados como Friends: O Museu de História Natural (American Museum of Natural History).

Fachada imponente do Museu de História Natural de NY

Logo de início, um choque de civismo (ou não, em alguns casos de turistas “espertos”): não há um valor para o ingresso, se você achar que deve, pode pagar até um dólar pelo ingresso, no entanto eles indicam um valor que na realidade é uma doação para a entidade que administra o museu.  Portanto, justiça seja feita, pagamos o valor por eles sugerido e ainda mais pela ida ao borboletário.  Exposições temporárias são pagas e agendadas a parte.

Já no hall central encontramos um gigantesco esqueleto de dinossauro que é apenas uma prévia dos muitos que veríamos ao adentrar no museu.

Olha isso pessoal!
Selfie com o dinossauro

O museu é muito grande e está dividido em setores mostrando natureza e história dos habitantes dos continentes, em instalações e cenários tão realistas que por vezes ficamos na dúvida se era de mentira ou real. Começamos pela sala onde mostrava parte da vida e evolução de algumas espécies.

Uma grande diversidade de espécies representadas e explicitadas por era, espécie e região geográfica.
A”borboleta branca~aprendendo sobre insetos. Mesmo em inglês deu para ela entender algumas coisas e ficar ainda mais encantada pela Ciência da natureza!
A diversidade marinha .
E os mamíferos empalhados
Seres de todos os tamanhos e habitats representados fielmente

A história da vida na terra, das pesquisas e descobertas sobre a natureza , suas espécies de animais e plantas e a evolução delas, assim como suas particularidades e a metodologia que os cientistas usaram para nomeá-los e agrupa-los em espécies similares, pesquisas e descobertas que atiçaram as pequenas mentes curiosas e ávidas por descobrir o mundo e a natureza nos seus mínimos detalhes.

Mamíferos, répteis, anfíbios, insetos e peixes estão ali muito bem representados e explicados, de modo que elas conseguiram captar e entender o que estavam vendo e se maravilhar.

Consegue dizer se é modelo ou realidade?
As instalações mostram em tamanho real os habitats naturais de várias espécies ao redor do mundo
Incrível cenário dos golfinhos e a representação perfeita da água!
Beatriz e a coruja empalhadaa do Harry Potter
Os ursos pardos americanos

Até aqui, havíamos olhado apenas o nível de subsolo e parte do térreo do museu!

Após uma parada para o almoço (na própria  praça de alimentação do museu, que tem várias opções de lanches e comida e um hamburguer que estava delicioso!), rumamos para nossa visita marcada ao borboletário. Uma das experiências mais incríveis que fizemos, poder interagir com as diversas espécies, conhecer a história e as diferentes espécies de borboletas foi realmente muito legal! Todos adoramos  principalmente nossa borboleta branca Isabel.

Fascinada pela infinidade de espécies de borboletas.
Elas ficam tão paradas que parecem posar para as cameras, cores e desenhos diferentes e maravilhosos
Essa a gente conhece, natural daqui!

O espaço é climatizado como uma floresta tropical, então até sentimos calor. As pessoas que trabalham no local orientam muito bem para não tocarmos nos animais, mas as borboletas estão tão a vontade que por vezes até pousam nas pessoas, é uma interação muito legal e todos com muito cuidado e respeito aos animais.

Bebel ficou impressionada ao saber do tamanho da língua da borboleta, aqui podemos ver bem ela enrolada sob a cabeça
Escutando tudo sobre as crisálidas, o tempo de metamorfose e espécie venenosa. Mesmo em inglês ela compreendeu a explicação.
Teto recheado de borboletas
Abra suas asas para as cores e formas da beleza da natureza.

Acabou? Ainda não! O museu é bem grande e ainda nos restou tempo para olhar os famosos fósseis de dinossauros e outros animais pré-históricos.

Pegadas de dinos sob um enorme esqueleto fóssil
O esquema mostra os osso e quais são fósseis reais e quais são apenas réplicas que complementam o conjunto
As descobertas paleontólogas que provam a evolução da espécie
O temível T Rex
Fóssil de esqueleto e tartaruga gigante
E o mamute não tão pequenino assim!

Um novo mundo de muitas descobertas do qual tivemos que sair, pois o horário de fechamento do Museu tinha chegado. E ninguém quer passar uma noite no Museu!

Este museu, assim como o Louvre, o British Museum, entre outros, não são feitos para serem conhecidos 100% em um único dia.  Então é importante priorizarmos os pontos de maior interesse.

O museu, já de noite, visto do Central Park

Saímos já de noite e atravessamos o Central Park (de oeste para leste) para  pegarmos o metrô.  Mas esses planos acabaram mudando… Estávamos na rua 79, resolvemos andar um pouquinho para baixo (nosso hotel estava relativamente longe, na 51), para ver um lugar para comer. Aí fomos andando, andando, andando…. Quando vimos já estávamos na 60, onde conhecemos o famoso complexo da Bloomingdale’s e resolvemos logo jantar por ali.

Paramos no David Burke’s, que tinha uma comidinha bem gostosa e um belo hambúrguer.

Super burger caprichado da Bia
Bagel de salmão do Rafael

Agora já de barriguinha cheia, fica mais fácil de encarar o frio e seguir em frente.  Ainda faltavam umas 10 quadras…

Mas quem já andou da 79 para a 60, anda da 60 até a 51! E assim fizemos!!  Fomos passeando e olhando as pessoas, os prédios e as vitrines, sem muito compromisso.  Chegamos mortos com farofa no hotel, agora é  descansar para o outro dia de aventuras.

O dia amanhã será de novas aventuras e mais frio.

See Ya

  • Não dá para conhecer o Central Park em um único dia.  Divida-o em fatias e visite cada fatia em um dia diferente, de acordo com seus  pontos de interesse.
  • Idem idem para o Museu de História Natural – concentre sua visita nos salões que mais te interessam e em alguma exposição temporária.
  • Navegar em Nova York é até bem simples.  Avenidas no sentido Norte-Sul (que logo logo você grava o nome) e ruas, numeradas, no sentido leste-oeste.  O problema é que os quarteirões não são tão grandes no sentido das ruas, então você (erroneamente) acha que é tudo perto e acaba andando muito mais do que devia…

2 pensamentos em “Central Park e Museu de História Natural [RotaKids NY: day 2, 03/02/2018]”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *