Chinatown, movies e tal…[RotaKids NY day 11: 12/02/2018]

Como sempre, começamos o dia cedo e partimos para um bairro tradicional da cidade, o lar dos imigrantes asiáticos sobretudo os chineses, Chinatown.

As Chinatowns foram criadas em vários países, por volta do século XIX e de acordo com as leis discriminatórias que proibiam a venda de terra a chineses ou restringiam tal venda a uma determinada área da cidade, segregando os chineses do resto da sociedade.

Esta área e arredores, principalmente a pracinha de Columbus Park, constituía a região de Five Corners, ponto central dos imigrantes mostrado no filme Gangues de Nova York, de Martin Scorcese.

Hoje, a de Manhattan, abriga também parte de imigrantes vietnamitas e de outras regiões da Ásia, que aqui têm suas lojas e comércio de produtos típicos de sua cultura, seja artesanato, comida ou vestuário.

Fomos de metrô até  a pracinha que é o início da região de Chinatown e começamos a explorar.

No caminho, passamos por um lugar muito peculiar: Encontramos o African Burial Ground, monumento dedicado ao antgo cemitério de escravos que aqui se localizava:

Monumento em reformas

Estima-se que 15000 escravos ou negros libertados foram enterrados nesta região da Lower Manhattan.  Nova York teve a segunda maior população de escravos dos EUA, e em certo momento os escrqavos constituíam 1/4 da população.

História do African Burial Ground

Seguindo em frente, através de um quarteirão de prédios do governo, chgamos a Columbus Park, a pracinha bem nos limites de Chinatown.

Ainda bem cedo os playgrounds estavam bem  vazios por conta do frio e do horário escolar, mas encontramos aqui já uma diferença: muitas pessoas de meia idade praticando yoga e tai chi, pacificamente cada um respeitando seu espaço e seu tempo.

Tai chi no parque
Praças que mais parecem parques de diversão para elas!
Balanços de todos os tipos e tamanhos!

Tudo é muito bem conservado e limpo, o conceito de espaço urbano de lazer e uso coletivo é respeitado ao pé da letra! As meninas gostaram muito de brincar e conhecer até novos brinquedos e opções de diversão e lazer público.

Desafio aceito e completo! Bia at Columbus park
Olha que ela também tentou…

Depois de algum tempo no Columbus Park e arredores caminhamos pelo bairro e logo vimos uma rua repleta de casas funerárias e um cortejo funerário saindo, não fotografamos por receio de estar desrespeitando o momento e a cultura desse povo, mas foi bem curioso!

Notamos que muitas ruas tem seus temas: as ruas das comidas, dos utensílios de cozinha, dos produtos frescos, dos artefatos de ouro… Tudo escrito em chinês e quase nada visível de inglês.  Parece que nos transportamos para outro continente.

Objetos típicos da cultura chinesa em diversas lojinhas pelo bairro.
Produtos bem diferentes em exposição

 

Comida exposta na vitrine, muitos patos…

Vista de uma das ruas, ainda era cedo para a movimentação do transito

Belos objetos de ouro – mas beeem caros!

 

Muitas ruas repletas de pequenas lojas, muitas vendendo frutas, legumes e verduras frescas e muitos açougues vendendo especialmente patos. E restaurantes que anunciavam especialidades feitas com pato. No entanto já havíamos escolhido aonde almoçar: O restaurante Jing Fong

A Jing Fong foi fundada em 1978 como um restaurante e ao entrar e subir as grandes escadas rolantes, você encontrará uma atmosfera movimentada que incorpora todos os elementos essenciais do “yum cha” – um brunch tradicional de dim sum – do jeito que deveria ser.

Olha o tamanho deste salão

Foi assim que adentramos nesse mundo oriental e fomos convidados a sentar e nos servir.  Cada mesa comporta 8 lugares, você recebe uma cartela com os pratos a serem servidos e as “garçonetes”passam com carrinhos cheios de pratos diversos, ao escolher uma iguaria ela serve e marca na sua cartela o prato que foi servido para consumo.  Assim ao final da refeição, que pode durar o tempo que desejar ou que seu estômago aguentar, é só ir ao caixa e acertar a conta. Prático não? Sim mas alguns pratos eram, digamos um pouco exóticos demais e elas não falavam muito bem o inglês e nós tão pouco mandarin, no?

Que acham que é isso? A única coisa que conseguimos saber antes de provar era que era de camarão.
Algumas coisas causavam estranheza a elas, mas provaram de tudo um pouco, mesmo com legumes. Bebel não é muito fã dos verdinhos
Ainda teve que tomar chá verde durante a refeição. Xiii Mas até que ela gostou!
Carrinhos servido pratos típicos

Os carrinhos passam direto uma atrás do outro com pratos doces e salgados, muitas vezes é até difícil distinguir uma iguaria doce de outra salgada, faltou estômago pra provar um pouco de cada coisa. E ainda pode-se ir ao balcão e servir-se de outros pratos quentes como yakisoba e outras massas. Uma dica é ir no site do restaurante, eles tem fotos de todos os pratos, ou pelo menos os principais.

Saímos dali fartos e ainda procurando um lugar para comprar pequenas lembranças dessa cultura oriental, mas no final eram tantas opções que ficava difícil escolher.

Milhões de produtos de papelaria de temática oriental

E claro mesmo com todo frio do mundo não deixaríamos de provar o sorvete da Chinatown Ice Cream Factory, com sabores tão exóticos quanto os nomes, nem mesmo o atendente soube me explicar que gosto tinha o tal sorvete verde e o roxo.

A bandeira do dragão marca o local da Chinatown Ice Cream Factory

De fato eram uma delícia, parecia um misto de tuti-fruti e batata doce!

Provando sorvetes num frio de quase 0 graus
Felicidade de quem vai comer algo roxo e gostoso!
A cara da Bibia! Ela já não gosta de sorvete mesmo, só ela não comprou um
E olha ele ali de novo a espera de um pouco de sorvete! Sr. Esquilo, não pode!

Próximo dali ainda na região dita Lower Manhatan encontramos a Igreja da Transfiguração (construído em 1801 como Sião Igreja Episcopal Protestante 1853 comprado pela Arquidiocese de Nova Iorque), na esquina das Ruas Mott e Mosco.

Torre da Igreja da Transfiguração

Muito peculiar e mostra mais uma face da cidade que outrora já se mostrava globalizada, seja culturalmente ou religiosamente falando.

A paróquia foi fundada pelo Padre Félix Varela y Morales em 1827, que aparece na foto.

A igreja tem missas em inglês e cantonês e é a maior congregação chinesa católica dos Estados Unidos.

Como o dia ainda não havia terminado mas nossa programação para ele talvez sim, resolvemos repetir um programa que gostamos muito, e voltamos ao cinema.   Desta vez fomos ver Peter Rabbit que havia acabado de estreiar – e novamente as meninas se divertiram muito e compreenderam o filme mesmo sem conseguir traduzir ao pé da letra tudo que ali havia sido dito. Valeu de novo Cultura Inglesa!

Hora de cinema com balde enorme de pipoca !

No dia seguinte ainda conseguimos dar uma última volta no Rockfeller center e arredores antes de ir ao aeroporto, novamente de metrô, e pegar nosso voo de volta ao Rio, mas já com saudades dessa cidade!

Rockefeller center
Nada como ler para aguentar a longa espera no aeroporto
Longa mesmo, e ela lê até em inglês se forem os seus personagens preferidos. Agora Teen Titans

No mais assim termina a nossa aventura na Big Apple e já nos preparando para novas viagens, e voos ainda mais longe…

See Ya

Dicas deste Post:

  • Restaurante Jing Fong: http://jingfongny.com/
  • Vá sem medo no Jing Fong.  Pode pedir bastante coisa e comer muito, mesmo sem saber o preço de cada item (estão em chinês!!).  A conta total para nós quatro deu 53 dólares.
  • Para saber mais da Chinatown Ice Cream Factory: http://www.chinatownicecreamfactory.com/
  • O sorvete roxo era o Taro, que é um tubérculo semelhante à batata.
  • O sorvete verde era o Pandan, cujas folhas são usadas no sul da ásia, com aroma semelhante à baunilha.
  • O sorvete branco era de lichia, a esta altura o mais comum dos três!!
  • Vale muito ir ao cinema por aqui, treinar o inglês das pequenas, sem legendas!
  • E assim acabamos mais uma viagem. Próximo post trará um resumo da nossa economia na Grande Maçã!

4 pensamentos em “Chinatown, movies e tal…[RotaKids NY day 11: 12/02/2018]”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *