Visitando a grande dama de NY: Estátua da Liberdade [Rota NY day 9: 10/02/2018]

Grande dia hoje! Vamos  visitar um dos maiores símbolos da cidade de New York: Estátua da Liberdade, ou como dizem os franceses – os doadores da estátua aos Estados Unidos em comemoração pela independência do país – Statue de la Liberté.  Símbolo de um dos pilares do Iluminismo francês, a liberdade é representada por uma “dama “que representa uma deusa romana da liberdade, que carrega uma tocha e um tabula ansata (uma tabuleta que evoca uma lei) representando a Declaração da Independência Americana.

Dia frio e chuvoso para atravessar a baía, mas mal podíamos esperar para ver esse monumento icônico e mundial! A aventura começa sempre cedo conosco, na tentativa de evitar filas e multidões, afinal era sábado e estávamos indo visitar um dos ou mesmo o maior ponto turístico da cidade. Mesmo assim ainda enfrentamos alguma fila para trocar os ingressos, a diferença é que aqui as filas andam rapidamente!

O local de embarque foi o Battery Park, bem na pontinha da ilha.  De lá saem os barcos até a Liberty Island, onde a Dama mora.

Barcas que fazem a travessia até a Estátua da Liberdade
Os nerds se divertem com selfies geladas

Pegamos a primeira barca do dia e resolvemos sentar na parte superior.  A vista é fantástica, mas o vento castiga bastante!

Apesar do frio sentar aqui tem-se a melhor vista de toda travessia!
Eu e a loira achamos um lugar para sentar no topo do barco
Puxa como aqui está frio!!! Só os oinhos de fora…
Vista de Ellis Island

A travessia é relativamente rápida – dura cerca de 20 minutos.  Aos poucos a Estátua vai se aproximando.

 

olha ela aí…
Como não tirar uma selfie para mandar para os amigos?!

As melhores fotos da Estátua da Liberdade são de dentro do barco ou ainda de longe.  Ela é muito grande e com isso fica difícil de pegar ela inteira quando se está muito perto!

chegando no monumento

 

Começamos a visita na ilha pelo pedestal e depois fomos ao museu, que fica dentro do pedestal.   Não subimos ao topo: muitos degraus para meu joelho!!

Vista de dentro do pedestal mostrando a estrurua metálica da estátua.
Skyline de Manhattan e New Jersey, vistas do pedestal

O Museu conta toda história da estátua, projeto, concepções, manufatura, execução e transporte, sem excluir claro a questão política por de trás desse presente.

Bebel e a réplica da tocha
Placa demosntrando o presente francês ao americanos
Uma das faces da estátua em estudo de bronze. De que será que a loira tanto ri!!

O Museu conta toda história desde do projeto idealizado e projetada pelo escultor francês Frédéric Auguste Bartholdi, que se baseou no Colosso de Rodes para edificá-la.  La Liberté foi construída por Gustave Eiffel, o mesmo da famosa torre de Paris.  A estátua foi construída  em partes na França, trazida para a América em caixas e só então foi  montada no pedestal que já havia sido concluído na ilha .

A estátua mede 46,50m. (92,99 m. contando o pedestal). O nariz mede 1,37 metros.  O conjunto pesa um total de 24.635 toneladas, das quais 28 toneladas são cobre, 113 toneladas são aço, e 24.493 toneladas de cimento no pedestal. Ficou entre os semi-finalistas do concurso das sete maravilhas do mundo moderno.

São 167 degraus de entrada até o topo do pedestal mas dá pra fazer de elevador também (ufa – foi o que fizemos) , mais 168 até a cabeça e por fim outros 54 degraus levam até a tocha, o que, somados, consistem em um total de 389 degraus, daí o porquê de termos ido apenas até o pedestal. Originalmente construída em cobre, a estátua tinha uma coloração dourada que com o passar do tempo e os efeitos de uma série de reações químicas, alguns sais acumulados deram a ela esse tom verde-azulado que vemos hoje.

Linha do tempo e estudos feitos pelos artistas franceses para a execução da estátua.
versão mais próxiama da atual em miniatura no museu
molde da orelha
foto ilustrativa da execução in loco da estátua

Alguns relatos de imigrantes apontam a estátua como um símbolo de que estavam chegando na terra da prosperidade, sensação de alívio e o verdadeiro símbolo de uma nova vida e sobretudo da liberdade!

Além da estátua, na ilha caminhamos um pouco pelo parque existente no local, para ver  famoso skyline de Manhattan, por muito pouco tempo já que o frio e a chuva fina não colaboraram para o passeio ser mais agradável. Resolvemos então voltar para Manhattan, mas não sem antes comer alguma coisa em uma das lanchonetes ali existentes e visitar a loja de presentes e souvenirs, para alguns amiguinhos.

Típicos pratos fast food americanos
Adivinha quem é? Encontra-se de um tudo na lojinha.
E essa liberdade loira?

Mesmo por detrás das nuvens de chuva é uma bela vista!

Hora de voltar, pegamos a barca de volta e apreciamos a vista. A barca para ainda em Ellis Island, mas devido ao frio e chuva resolvemos não explorar a ilha.

Ellis Island
See you later lady!

Chegando em Manhattan, partimos para explorar mais um lugar iconico em NYC, a loja Macy’s Herald Square, fundada ainda no século XIX e uma das mais famosas lojas de departamento americanas.   A Macy’s rapidamente cresceu e logo abriu mais filiais na Broadway  e em outras grandes cidades. No entanto esta filial em especial traz a magia de uma época onde a publicidade ainda era feita com vitrines que de fato eram cenários que contavam uma história e nos remetiam a imaginar, fantasiar e querer um pouco deste mundo. Uma publicidade que girava também em torno dos eventos sazonais que atraíam muitos compradores para a loja, como o evento de natal.

Dentro da loja vimos ainda algumas decorações de natal, afinal o famoso filme “Milagre na rua 34” foi filmado aqui. O Longa original de 1947 que conta a história de um senhor de longas barbas brancas que  fica indignado quando percebe que o homem fantasiado de Papai Noel na Parada Anual do Dia de Ação de Graças da Loja de Departamentos Macy’s está bêbado e depois de muitas conversas acaba trabalhando na loja Macy’s da Rua 34, atendendo as crianças como Papai Noel. Um Clássico fime refilmado em 1994 e que até hoje passa na TV na época de natal.

O trezzinho de natal
Ainda constava o cenário onde Papai noel encontrava as crianças

A loja é enorme e conta com uma grande variedade de produtos, muito organizados e com layout bem clean:

Umas das maiores e mais famosas lojas de departamento americanas
Batedeiras de todas as cores!

Compramos a nossa mala (que já havíamos pesquisado nos dias anteriores) e  voltamos andando pra o hotel.   Afinal por hoje chega não é mesmo?

See ya

Dicas deste post:

  • Em fevereiro foi bem tranquilo comprar os ingressos na hora, diretamente no Battery Park.  Em épocas mais movimentadas acesse o site do monumento e compre com antecedência.
  • Há revista/detectores de metais tanto no embarque para o barco quanto na entrada da estátua.  Separe tempo para isto e utilize roupas/mochilas fáceis de passar nestes procedimentos
  • Na estátua e museu não é possível entrar com mochilas ou grandes bolsas, devendo ser guardadas em lockers.  Então não leve nenhuma bolsa exagerada senão você não terá como guardar.
  • A loja mais perto do ancoradouro tem mais variedades e preços melhores que a loja juntinho da estátua.
  • Um souvenir bem barato e que sempre curtimos são moedas comemorativas ou pressed pennies dos locais.  Com poucos dólares no máximo, conseguimos brindes personalizados e que remetem diretamente ao local visitado.
  • Para subir na cabeça da estátua, precisa utilizar uma escada em caracol muito apertada e centenas de degraus.  Não é para todos mesmo.  Ainda, a vista lá de cima acaba sendo bem restrita.
  • Para quem curte uma loja de departamentos bem organizada, com vitrines atraentes, vale muito a visita à Macy’s

1 pensamento em “Visitando a grande dama de NY: Estátua da Liberdade [Rota NY day 9: 10/02/2018]”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *